O papel da vitamina B12 em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica

Por ser considerada uma doença crônica e de caráter multifatorial, a obesidade pode ser tratada a partir de abordagens que incluem métodos convencionais, como mudança do estilo de vida e uso de fármacos, bem como aqueles tratamentos mais invasivos e que consistem na realização de procedimentos cirúrgicos.

A opção pela cirurgia bariátrica, em casos de obesidade grau III, ocorre em função de mais de 90% dos pacientes recuperarem o peso inicial em até dois anos após terem iniciado o tratamento convencional. Dessa forma, a realização de cirurgias bariátricas vem ganhando cada vez mais indicações entre os pacientes, apesar de seu caráter altamente invasivo e dos pacientes poderem perder até 40% a 50% do peso inicial, mantendo-o a longo prazo. Entre os critérios para realização da cirurgia, o paciente deve: apresentar IMC maior ou igual a 40 kg/m², ou maior que 35 kg/m² com a presença de doença associada, resultante ou agravada pela obesidade; não ter obtido sucesso na perda de peso ao realizar algum tratamento convencional de emagrecimento; não possuir obesidade de base endócrina; possuir condições psiquiátricas favoráveis para lidar com as transformações impostas pela operação. 

Entre os muitos cuidados pós-operatórios que devem ser acompanhados no paciente bariátrico, a prevenção de carências nutricionais figura-se como um dos mais importantes. Os procedimentos restritivos tendem a causar menos deficiências nutricionais, enquanto aqueles de caráter disabsortivo podem conduzir a maiores distúrbios de micronutrientes como tiamina, vitamina B12, ácido fólico, vitamina D, ferro, zinco, cálcio e magnésio. Mais especificamente, a deficiência de vitamina B12 é algo bastante comum em pacientes bariátricos; quando submetidos ao bypass gástrico, por exemplo, tendem a desenvolver muito rapidamente deficiência de vitamina B12 em razão da complexidade em sua absorção e por necessitar do fator intrínseco.

Em torno de sete a oito meses após a cirurgia, a deficiência de vitamina B12 costuma se mostrar presente nos indivíduos cuja ingestão desta, através da alimentação ou suplementação, revela-se insuficiente. Como sintomas, é possível observar a presença de anemia macrocítica, de alterações neurológicas e parestesias, podendo apresentar ocorrência de problemas cardiovasculares e aumento na concentração de homocisteína. Ravelli et al. (2012) destacaram a importância da suplementação com vitamina B12 logo após a ocorrência do desvio gástrico e sua manutenção ao longo da vida. Em estudo retrospectivo de Al-Mutawa et al. (2018), por sua vez, os autores observaram que 16% dos pacientes pré-operatórios apresentavam deficiência de vitamina B12; o estudo aponta para o fato de que, juntamente com o ferro e a vitamina D, a vitamina B12 merece grande atenção por conta da deficiência pré-instalada.

Nesse sentido, a carência de micronutrientes em pacientes bariátricos, sobretudo, de vitamina B12, está relacionada, principalmente, à presença de hábitos alimentares e de estilo de vida inadequados. Cabe ao nutricionista, portanto, ficar atento ao pré e pós-operatório desses indivíduos, realizando a reeducação alimentar e avaliando a necessidade de suplementação. CLIQUE AQUI e confira mais informações sobre o produto. 

Referências:

AL-MUTAWA, A. et al. Nutritional Status of Bariatric Surgery Candidates. Nutrients, v. 10, n. 1, 2018.

RAVELLI, M.N. et al. Obesidade, cirurgia bariátrica e implicações nutricionais. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 20, n. 4, p. 259-66, 2012.

ROCHA, J.C.G. Deficiência de vitamina B12 no pós-operatório de cirurgia bariátrica. International Journal of Nutrology, v.5, n.2, p. 82-9, maio 2012.