Multivitamínicos e a suplementação segmentada para o público +50

O consumo de suplementos multivitamínicos tem aumentado ao redor do mundo, motivado, sobretudo, por indivíduos que buscam melhorar a saúde e prevenir doenças crônicas.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que mais de 2 bilhões de pessoas convivam com a deficiência de micronutrientes essenciais. Nos Estados Unidos, especificamente, uma concentração insuficiente de vitaminas A, C, D e E e colina, além dos minerais cálcio, magnésio, ferro e potássio, encontra-se instalada na população. O programa de estudos National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES), por sua vez, apontou que, em relação à concentração de cálcio, potássio, fibra alimentar e vitamina D, uma quantidade significativa de pessoas tem obtido esses micronutrientes a níveis insuficientes de fontes alimentares abaixo da Necessidade Média Estimada (EAR, em inglês).

 

Estudos na literatura têm apontado para a segurança, a longo prazo, quanto à utilização de suplementos vitamínicos, uma vez consumidos segundo a Ingestão Diária Recomendada (IDR), com a finalidade de complementar a alimentação com micronutrientes possivelmente em carência. Grupos populacionais específicos, como gestantes, lactantes, idosos e pessoas com certos tipos de doenças podem beneficiar-se da suplementação com multivitamínicos quando prescritos por profissional especializado.

Resultados de estudos observacionais, de larga escala e randomizados, apontam para desfechos positivos no uso de polivitamínicos no que diz respeito à redução do risco de doenças como câncer e, potencialmente, de doenças cardiovasculares. Em estudo randomizado duplo-cego de Isakov et al. (2018), o efeito da suplementação multivitamínica, multimineral e de fitonutrientes foi avaliado quanto ao status de nutrientes no sangue e de biomarcadores do risco cardiovascular em indivíduos (n=120) que vivem na Rússia. Após oito semanas, a suplementação aumentou a concentração circulante de quercetina, vitamina C e folato eritrocitário, bem como preveniu, parcialmente, o declínio das vitaminas B6 e B12. Além disso, marcadores do risco cardiovascular, também, mostraram-se reduzidos em comparação ao grupo placebo. No entanto é preciso considerar a necessidade no que tange à realização de estudos clínicos maiores, a longo prazo e com diferentes populações, para a comprovação da eficácia dos suplementos multivitamínicos e minerais.

All 26 Geriatric da FDC é o suplemento multivitamínico com maior concentração de vitaminas e minerais e indicado para o público a partir de 50 anos, e outros como atletas e pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. Com mais de 12 vitaminas e 15 minerais, All 26 Geriatric auxilia na prevenção de carências nutricionais que se tornam maiores à medida que a idade avança. CLIQUE AQUI e confira mais informações sobre o produto.


Referências

BIESALSKI, H.K.; TINZ, J. Multivitamin/mineral supplements: rationale and safety. Nutrition, v. 36, p. 60-6, abr. 2017.

BLUMBERG, J. et al. The evolving role of multivitamin/multimineral supplement use among adults in the age of personalized nutrition. Nutrients, v. 10, n. 2, fev. 2018.

ISAKOV, V. et al. Effects of multivitamin, multimineral and phytonutrient supplementation on nutrient status and biomarkers of heart health risk in a russian population: a randomized, double blind, placebo controlled study. Nutrients, v. 10, n. 2, fev. 2018.