Conheça Sttenio Almeida, atleta da Seleção Brasileira de Karate e do Time FDC

O karate é uma arte marcial japonesa que se popularizou, em Okinawa, na década de 1920. Trata-se de uma luta que enfatiza técnicas de defesa, como bloqueios, socos e chutes, em vez de técnicas de projeção e imobilização. O treinamento do karate pode ser dividido em três principais partes: o kihon, que é o estudo dos movimentos básicos; o kumite, que é a luta que pode ser executada de maneira livre ou determinada; e, kata, que é a forma, isto é, uma espécie de luta contra um inimigo fictício e baseada em sequências fixas de movimentos.

Para atletas de alto rendimento, não somente o desenvolvimento técnico e tático é importante, mas também os elementos psicofísicos e nutricionais, que somam durante a preparação de atletas de elite, cujos pequenos detalhes são fundamentais em lutas competitivas. A ingestão de macronutrientes é importante para a recuperação do tecido muscular e a manutenção do sistema imunológico, bem como para o equilíbrio do sistema endócrino, o que resulta na melhora da performance esportiva. Os micronutrientes, por sua vez, são fundamentais na prática desportiva, já que auxiliam na recuperação do estresse oxidativo gerado pelo treinamento de alta intensidade (Ribas et al., 2017).

Por isso, o acompanhamento nutricional é fundamental para o desempenho do atleta. Além disso, quando aliados a um planejamento alimentar adequado, os suplementos nutricionais podem auxiliar na melhora do rendimento esportivo e da disposição. E não apenas a dieta, mas a hidratação e a suplementação também são componentes essenciais e responsáveis pelo conjunto que leva ao rendimento e à performance desportiva (Drumond et al., 2016).

Reconhecendo tanto a importância e o valor do esporte quanto da nutrição para a prática esportiva, a FDC, além de oferecer suplementos alimentares que contribuem para a rotina diária de cuidados, encontrou, como forma de apoiar os esportes, a formação do Time FDC e, neste blog, apresentamos Sttenio Almeida, atleta da Seleção Brasileira de Karate e campeão nacional e internacional na modalidade. Conheça mais sobre a história e a trajetória do atleta!



Quais são as próximas competições ou os eventos dos quais participará?

Ainda em 2019, participarei do Trófeu dos Campeões 2019, em São Paulo/SP, para 2020, já estão na agenda, até o momento, o Us Open 2020, que acontece em abril, em Las Vegas/USA, e o Campeonato Mundial 2020, que acontece em julho, em Estetino, na Polônia.

O que o esporte significa para você?

Superação.

Como você começou a praticar esportes? Iniciou na mesma modalidade em que atua hoje?

Iniciei no esporte para combater minha timidez e também para praticar alguma atividade física. Comecei sim na mesma modalidade, hoje, já se vão 24 anos de prática do karate.

Como você descobriu que gostaria de seguir uma carreira nos esportes?

Quando, como resultado de tantos treinamentos, comecei a conquistar títulos e vi que meu trabalho começou a ser reconhecido e respeitado dentro e fora do Brasil.

Você acha que o esporte recebe o devido valor no Brasil?

Infelizmente, não.

O que acha da iniciativa da FDC em apoiar atletas e a carreira no esporte?

Digo e repito que existam mais empresas visionárias como a FDC.

Qual é sua rotina de treinos, alimentação e cuidados com a saúde?

Fora de temporada, o que ocupa, em média, 50 dias por ano, mantenho uma faixa de dois treinos de karate por semana, três de crossfit e um de musculação. Além disso, durante esse período, minha dieta é mais rica em carboidratos e não tão regrada quanto ao consumo de açúcar e sódio. Durante o período pré ao longo da temporada de competições, faço treinos de karate, crossfit e levantamento de peso olímpico, de segunda a sábado. Nesse período, a dieta fica mais restrita, com o consumo de carboidratos controlado pelo meu nutricionista e o consumo quase zero de sódio e açúcar. Além disso, tanto fora quanto na pré-temporada e durante ela, uso as vitaminas e os suplementos da FDC, como Creatina, Cafeina, All Nutri, Oil Fish, Vitamina C e Ômega-3.


Essa rotina passa por mudanças antes de competições? Quais? Quanto tempo antes de competir você começa a preparar-se?

Apenas na semana da competição, quando os treinos de levantamento olímpico, crossfit e musculação são suspensos e ocorre um aumento da ingestão de carboidrato nas refeições principais.

Você tem um acompanhamento nutricional com foco na prática esportiva?

Sim! Passo por acompanhamento durante toda a temporada, com um nutricionista esportivo.

Quais suplementos da FDC você utiliza?

Creatina, Cafeina, All Nutri, Oil Fish, Vitamina C e Ômega-3.

Quais os benefícios da suplementação na sua vida?

Rendimento e qualidade de vida.

Como você concilia o esporte com a sua vida, a sua família, os seus amigos?

Ser atleta é uma escolha e a consequência é a abdicação, mas sempre buscamos reservar um tempo para passar com a família e os amigos.

Qual é seu maior objetivo no esporte daqui para frente?

Como estou a alguns anos de entrar na categoria MASTER (+ de 35 anos), tenho como objetivo ser campeão mundial na categoria em que estou no momento. Depois disso, meu objetivo é de conquistar um título mundial na categoria MASTER.

E quais são seus maiores desafios no dia a dia?

Busco, além de tentar me superar a cada treino, fazer com que meu rendimento aumente durante os treinos, mesmo sabendo quão difícil é conseguir patrocínio para as viagens e competições fora do país.

Qual dica você daria para quem deseja seguir na carreira esportiva ou para atletas amadores que desejam se profissionalizar?

Não desistam dos seus objetivos, foquem neles e trabalhem duro.
 

Referências

DRUMOND, N. B.; et al. Composição da refeição pré-treino, uso de suplementos e nível de desidratação em lutadores de jiu-jitsu de Leopoldina-MG. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 10. n. 59. p.524-534. Set./Out. 2016.

RIBAS, M. R.; et al. Perfil dietético de atletas de karatê da Seleção Brasileira durante o período pré-competitivo. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 11. n. 67. Suplementar 1. p.826-835. Jan./Dez. 2017.