Como a suplementação com cafeína impacta no seu dia a dia?

A cafeína é uma das substâncias mais consumidas no mundo, estando presente no café, nos chás, chocolates e em outros alimentos. Em razão de fornecer energia e ser um poderoso estimulante, tanto a versão natural quanto o suplemento de cafeína têm ganhado cada vez mais adeptos em todo o mundo.

No organismo, a cafeína exerce efeitos importantes para o metabolismo e que são regulados finamente pelo sistema endócrino. Estudos apontam que seu consumo está relacionado ao estímulo da termogênese e da lipólise, assim, favorecendo a oxidação da gordura corporal; ela ajuda, ainda, a regular a glicemia estimulando a secreção da insulina pelo pâncreas, aumentando o metabolismo energético e a mobilização de glicogênio pelo músculo. Seu efeito neuroestimulante se dá por conta do bloqueio de proteínas que se ligam a moléculas denominadas adenosinas, que estimulam a diminuição da frequência respiratória e aumentam a sensação de sono.

Além dos benefícios supracitados, estudos apontam para o impacto positivo da cafeína na prevenção ou no tratamento de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson. Trabalhos mais recentes indicam que o uso da cafeína foi capaz de reduzir o deficit cognitivo provocado pela deposição da proteína cerebral β-amiloide, atuando com efeito neuroprotetor e redutor da neurotoxicidade na doença de Alzheimer, desordem cuja característica é a perda progressiva da memória. No caso do Parkinson, cujos sintomas abrangem desde a perda da memória, depressão e demência até a redução nos níveis de dopamina no sistema nervoso, a cafeína se mostrou importante para favorecer a liberação de dopamina por meio do estímulo de receptores dopaminérgicos.

No esporte, a cafeína tem sido explorada por atletas e esportistas em razão de seus efeitos ergogênicos, isto é, seu potencial em maximizar o desempenho. Outros efeitos incluem a estimulação do sistema nervoso central, a liberação de hormônios e a modulação dos sistemas esquelético e cardíaco. Em estudo duplo-cego, os autores avaliaram os efeitos da suplementação com cafeína sobre a performance de ciclistas submetidos a um teste de esforço. Após receberem a suplementação oral de cafeína ou placebo-amido (5mg/kg), 60 minutos antes do exercício, os resultados indicam que os ciclistas suplementados com cafeína tiveram aumento significativo da tolerância ao esforço.

Portanto, a suplementação com cafeína, além de barata, pode ser uma estratégia interessante para melhorar o rendimento no exercício e também nas tarefas do dia a dia. FDC Cafeína exerce ação ergogênica e pode ser utilizado tanto para como pré-treino quanto para diminuir a sensação de sonolência e evitar a desconcentração. Sua composição conta com 140mg de cafeína pura, disponível em frasco com 120 cápsulas! Clique aqui e confira mais informações sobre o produto.

Referências: AGUIAR, R.A. et al. Efeito da ingestão de cafeína em diferentes tarefas de tempo de reação. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 34, n. 2, p. 465-76, abr. 2012. AHRENDT, D.M. Ergogenic aids: counselling the athlete. American Family Physician, v. 63, n. 5, p. 913-922, mar.2001. ARAÚJO, T.O.P. et al. Benefícios da cafeína sobre os níveis séricos de colesterol e triglicerídeos. Revista Brasileira Multidisciplinar, v. 14, n. 1, p. 118-26. 2011. CAPUTO, F. et al. Caffeine and anaerobic performance. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, v.14, n.5, p. 602-614.2012. COSO, J. et al. Prevalence of caffeine use in elite athletes following its removal from the World Anti-Doping Agency list of banned substances. Appl. Physiol Nutr Metab, v. 36, n.4, p. 555-61, ago. 2011. GOMES, C.B., et al. Uso de suplementos termogênicos à base de cafeína e fatores associados a qualidade de vida relacionada à saúde em praticantes de atividade física. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 8, n. 49, p. 695-704, set.-out.2014. LEITÃO, H.A., et al. Efeito ergogênico da cafeína sobre o desempenho físico progressivo máximo em ciclistas. Brazilian Journal of Health, v. 1, n. 2, p. 110-117, maio. 2010. NOBREGA, T.K.S. et al. Efeito da Cafeína Sobre Parâmetros Autonômicos e Hemodinâmicos em Mulheres Hipertensas Pós Exercício Aeróbio. Motricidade, v. 13, n. 65-73, abr. 2017. OLIVEIRA, C.S. et al. Efeitos da suplementação de cafeína no desempenho, percepção subjetiva do esforço e percepção de dor durante o treinamento de forca: uma revisão. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 11, n. 71, p. 967-73. 2017. SANTOS, Y.W.T. et al. Efeito da cafeína na resposta hipotensora pós-exercício físico: uma revisão de literatura. Revista E-Ciência, v. 5, n. 1, p. 38-42. 2017. SOARES, R.N. Efeitos da atividade física e do consumo habitual de cafeína na resposta da pressão arterial e da frequência cardíaca ao consumo agudo de cafeína. 2015. 59 fls. Dissertação (Mestrado em Nutrição e Alimentos) - Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Alimentos, Faculdade de Nutrição, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015. TROMBINI, C.B. e OLIVEIRA, G.G. Atualização terapêutica sobre a cafeína. Revista Terra & Cultura: Cadernos de Ensino e Pesquisa, v.29, n. 57, p. 11-21. 2013. XAVIER, C.A.C. Efeitos e aplicabilidades do uso de cafeína em praticantes de modalidades esportivas: uma revisão narrativa. 2017. 10 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) – Faculdade de Ciências da Saúde, Centro Universitário Tabosa de Almeida. 2017.