Aplicabilidade da Coenzima Q10 para o tratamento da Enxaqueca FDC Vitaminas

Você sabia? A enxaqueca é uma doença inflamatória que afeta cerca de 12% da população geral, sendo inclusive, mais expressiva no público feminino. Uma das causas relatadas, são os baixos níveis de micronutrientes, como a Coenzima Q10 (CoQ10), que demonstrou ser um dos principais motivos desse episódio e possui um forte potencial antioxidante que atua contra os radicais livre e marcadores inflamatórios¹.

A CoQ10 é uma substância produzida naturalmente pelo nosso organismo, mas alguns fatores como idade e medicamentos interferem na sua produção, sendo em alguns casos, recomendado a suplementação. Sua atuação acontece diretamente nas mitocôndrias, que estão presentes em todas as nossas células e é peça importante na geração de energia celular. Além disso, a coenzima Q10 tem potente ação antioxidante e pode melhorar a função mitocondrial e prevenir episódios de enxaqueca.

As causas dessa doença ainda não estão completamente compreendidas, mas já é visto um comprometimento da função mitocondrial durante e entre as crises de enxaqueca na qual a Coq10 pode contribuir para seu tratamento².

Foi possível avaliar a eficácia da suplementação de 150mg/dia de CoQ10 no tratamento preventivo para enxaqueca, reduzindo em mais de 50% o número de crises em 61,3% dos pacientes tratados, sem provocar efeito colateral. A redução média na frequência da enxaqueca após 1 mês de tratamento foi de 13,1% e aumentou para 55,3% ao final de 3 meses³.

Em um estudo com 42 pacientes com enxaqueca, observou-se que 300mg/dia de CoQ10 por 3 meses levou a uma diminuição na frequência da enxaqueca⁴. Concordando com outros pesquisadores que evidenciaram uma redução de mais de 50% na frequência e intensidade diante da administração da CoQ10 por um período de três meses⁵.

Já em público pediátrico com faixa etária de 5 a 15 anos com diagnóstico de enxaqueca, a suplementação da CoQ10 mostrou-se como uma alterativa preventiva com eficácia na redução da frequência, duração e gravidade de seus episódios, além de menores efeitos colaterais e efeitos terapêuticos comparáveis, especialmente a longo prazo⁶.

Em 45 mulheres não menopáusicas com idade entre 18 e 50 anos diagnosticadas para enxaqueca, foi avaliado a suplementação de 400 mg/dia de CoQ10 por três meses, resultando na redução favorável na frequência, gravidade e duração das crises de enxaqueca em comparação com o grupo que não fez a suplementação⁷.

A suplementação da CoQ10 vem demostrando sua eficácia como alternativa preventiva da enxaqueca, além de apresentar baixos efeitos colaterais até então reportados. Ainda são necessários mais estudos com intuito de consolidar dosagens e tempo-resposta em diferentes grupos.

Em minha prática clínica, vejo uma melhora significativa diante da administração de 200 - 300 mg/dia de CoQ10 em pacientes com diagnóstico de enxaqueca, principalmente na redução da frequência e intensidade em um período de 3 meses de tratamento, em alguns casos houve relatos de melhora dentro de um mês de uso.

 

REFERÊNCIAS:

  1. SAZALI, S. et al. Coenzyme Q10 supplementation for prophylaxis in adult patients with migraine—a meta-analysis. BMJ open, v. 11, n. 1, p. e039358, 2021.
  2. SPARACO, M. et al. Mitochondrial dysfunction and migraine: evidence and hypotheses. Cephalalgia, v. 26, n. 4, p. 361-372, 2006.
  3. ROZEN, T. D. et al. Open label trial of coenzyme Q10 as a migraine preventive. Cephalalgia, v. 22, n. 2, p. 137-141, 2002.
  4. SANDOR, P. S. et al. Efficacy of coenzyme Q10 in migraine prophylaxis: a randomized controlled trial. Neurology, v. 64, n. 4, p. 713-715, 2005.
  5. DALLA VOLTA, G. et al. P026. Pilot study on the use of coenzyme Q10 in a group of patients with episodic migraine without aura. The Journal of Headache and Pain, v. 16, n. 1, p. 1-1, 2015.
  6. YAGHINI, O. et al. A comparative study on the efficacy of coenzyme Q10 and amitriptyline in the prophylactic treatment of migraine headaches in children: A randomized controlled trial. Advanced Biomedical Research, v. 11, n. 1, p. 43, 2022.
  7. DAHRI, M. et al. Oral coenzyme Q10 supplementation in patients with migraine: Effects on clinical features and inflammatory markers. Nutritional neuroscience, v. 22, n. 9, p. 607-615, 2019.

 

Deixe um comentário